terça-feira, 4 de junho de 2013

Os copos, formas e funções

às 15:33
                                                               foto:reprodução

Apreciar uma cerveja não é tarefa que exige rituais solenes ou procedimentos cerimoniosos.
A natureza simples e alegre da bebida pede informalidade e simplicidade, tanto em relação ao ambiente quanto em relação ao tratamento dispensado ao ato de servir e apreciar.
O copo é o coadjuvante mais importante, um personagem com um papel vivo na apreciação da bebida.
A considerarmos a cultura belga, cada cerveja deveria ter seu próprio e distindo copo.
Há ainda outros fatores, secundários em importâncias, que fazem parte do cenário e do ambiente cervejeiro, cada um com uma função específica.

Copos, tampinhas, rótulos, garrafas, latas, bolachas, toalhas, abridores e etc, fazem parte do cotidiano do apreciador de cerveja tanto quanto bandeiras, camisetas e fotos dos ídolos permeiam o ambiente dos amantes do futebol.


Até aproximadamente duzentos anos atrás, era comum beber cerveja em canecas de cerâmica que não permitiam apreciar a cor e a transparência da bebida nem observar a formação da espuma.
Apesar de tecnologia de fabricação de cristais e vidros já ser conhecida desde a antiguidade, somente com o advento das escolas e das indústrias de vidro, a partir do século XVIII, principalmente na região da Boêmia , é que taças e copos se tornaram populares entre os apreciadores de cerveja.

Coincidindo com a novidade das cervejas Pilsen, houve uma enorme mudança na valorização da degustação. Hoje, as grandes cervejarias se esforçam para determinar um tipo de copo para cada marca e estilo de cerveja produzido.
Não se trata de apenas de uma questão de marketing, mas, sobretudo, da escolha do recipiente que melhor expõe e valoriza as características e as qualidades da bebida.

fonte: Larousse da cerveja

0 comentários:

Postar um comentário

 

Passaparola | Copyright © 2012 | Criação - Pronúncia